Please reload

Posts Recentes

O vizinho não quer consertar o vazamento, e agora?

August 7, 2018

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Com cerâmicas soltando, prédios representam risco a pedestres

August 1, 2017

A causa mais evidente é a falta de reparos

 

Alguns prédios residenciais de Teresina estão com as cerâmicas laterais soltando, o que representa um grande risco para as pessoas, moradores ou quem esteja passando perto. Andando entre os prédios residenciais na proximidade da avenida Marechal Castelo Branco, é possível observar que eles estão aparentemente sofrendo com a ação das intempéries e da falta de manutenção. Esteticamente é possível ver que algumas placas de cerâmica, que fazem parte da decoração externa destes imóveis, estão faltando, que caíram.

 

De acordo com a engenheira civil Laise Rolim, dessa falta de reparos é “patologia de construção” e é algo grave que deve ser corrigido para que se evite acidentes com os que passam nas proximidades dos prédios.

“Com o tempo, a construção vai precisando de manutenções, que acabam não sendo feitas, e com isso alguns problemas vão aparecendo. O mais comum é o descolamento das placas cerâmicas que revestem as fachadas de prédios, o que causa isso é ação da chuva, insolação, reações químicas, dentre outros. Isso é grave, deve ser corrigido o mais rápido possível, tanto por questão de segurança, pois essas placas ao desprender podem atingir quem estiver no perímetro, e também pelo fato desse revestimento ser uma proteção ao prédio, quanto mais tempo a fachada ficar exposta, sem essas placas, pode acarretar em outros tipos de patologia como infiltrações”, explica.

A vistoria nos imóveis vai depender do tipo de construção. O que a norma Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) sugere é que sejam feitas manutenções preventivas periódicas para evitar grandes problemas. Ainda segundo a engenheira, existe agora um nicho no mercado só para manutenção predial, onde os edifícios terceirizam vistorias regulares a cada dois anos, ou menos, dependendo do estado do prédio.      
               
“O problema é que estão acostumados a fazer manutenção corretiva, somente após o problema aparecer, é procurada uma solução, isso quando feito de imediato, tudo bem, mas esperam uma grande parte do revestimento cair, por exemplo, para procurarem um engenheiro ou empresa especializada para conserto”, observa Laise Rolim.

 

Fonte: www.capitalteresina.com.br

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga