Edificações e seu Plano de Manutenção

BASE LEGAL PARA A NECESSIDADE DO PLANO:

Baseada nas necessidades de manutenções em edificações, desde 25/08/12, foi validada a nova ABNT NBR 5674:2012, que estabelece os requisitos para a gestão do sistema de manutenção de edificações, definindo meios para:

1. Preservar as características originais da edificação.

2. Prevenir a perda de desempenho decorrente da degradação dos seus sistemas, elementos ou componentes.

A Norma descreve, de forma objetiva, a obrigatoriedade de haver planejamento anual das atividades de manutenção das edificações, processos de controle e controle de documentação.

O Plano de Manutenção é indispensável para evidenciar a realização das ações, tanto pela equipe de manutenção local, quanto por empresa capacitada.

Vale lembrar que, além do que prevê a Norma ABNT NBR 5674:2012, temos também a norma regulamentadora NR-8 que, conforme legislação, está amparada juridicamente conforme a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) em vigor.

As condições são descritas no capítulo "V" que se refere à "Segurança e Medicina do Trabalho" em sua seção "VI" que trata das Edificações, conforme artigos 170 a 174.

O QUE DIZ A NR-8?

Conforme a norma regulamentadora NR-8, deve-se monitorar as condições nas edificações nas áreas de circulação tais como pisos e paredes em geral, escadas, rampas de acesso e as proteções de andares acima do solo.

SISTEMAS, ELEMENTOS E COMPONENTES A CONSIDERAR NO PLANO DE MANUTENÇÃO:

Para o melhor andamento na execução do Plano de Manutenção em edificações, é necessário determinar, de forma ordenada, quais os sistemas e seus respectivos elementos e componentes que devem ser contemplados no projeto. Vamos citar alguns dos itens:

- Reservatórios de água: limpeza, sistemas de nível, bombas, tubulações.

- Alvenarias: paredes em geral, muros, revestimentos, pintura.

- Portões de acesso: sensores, motores, estruturas metálicas.

- SPDA: sistema de proteção contra descargas atmosféricas (para-raios).

- Iluminação de emergência: funcionamento, baterias, lâmpadas.

- Instalações elétricas: tomadas, interruptores, cabos em geral, luminárias.

- Instalações hidráulicas: tubulações, registros, válvulas, conexões.

- Parte estrutural: lajes, pilares, vigas.

- Instalações sanitárias: válvulas de descarga, torneiras, vasos.

- Instalações de telefonia: cabeamento, conexões, equipamentos.

- Sistemas de segurança: alarmes, sinalização, instalações, sensores.

- Cobertura do edifício: impermeabilização, telhado, calhas.

- Instalação de combate a incêndio: reservatório, bombas de recalque, mangueiras, hidrantes.

CONCLUSÃO:

Podemos ver que são muitas as atribuições de serviços a serem contempladas num Plano de Manutenção para edificações. Acima, elencamos apenas alguns dos sistemas, componentes e elementos que devem receber manutenções periódicas, a fim de preservar as condições ideais de funcionamento das edificações.

Cabe ao gestor adequar todas as necessidades, de modo a contemplar esses itens num Plano de Manutenção, conforme estabelecem as normas vigentes - ABNT NBR 5674:2012 e NR-8. É necessário, também, se ater aos meios compatíveis para a execução desse plano, usando os métodos e ferramentas adequadas de manutenção, para que todas as atividades necessárias sejam executadas corretamente e dentro dos prazos para cada tipo de serviço.

Fonte: www.manutencaoemfoco.com.br

#planejamento #PlanodeManutenção #edifício #manutençãopredial #norma

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags