Please reload

Posts Recentes

O vizinho não quer consertar o vazamento, e agora?

August 7, 2018

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Desperdício de água no condomínio: de olho na operação diária

January 10, 2019

Para o gestor de riscos Carlos Alberto dos Santos, é importante promover vistorias periódicas dos equipamentos, conforme o roteiro a seguir:

 

- Observar o fechamento dos registros tipo gaveta. Ele lembra que válvulas tipo esfera não devem ser utilizadas no lugar desses registros;

 

- Promover, no barrilete, a identificação de todos os registros e colunas, de forma a garantir segurança nas operações de manutenção;

 

- Instalar válvula de retenção na caixa de entrada do hidrante do prédio, de uso do Corpo de Bombeiros;

 

- Fazer inspeção visual do nível dos reservatórios. Aqui, Carlos Alberto conta a situação de um condomínio em São Paulo que estava “perdendo água pelo ladrão do reservatório superior”, por problemas na boia elétrica;

 

- “Desconfiar” das minas d’água. Carlos Alberto diz que o prédio em que mora conviveu durante anos com um vazamento, que, segundo a concessionária pública, era água do lençol freático. Muito tempo depois, descobriu-se que, na verdade, o volume desperdiçado tinha origem em um vazamento na tubulação da bomba de incêndio.

“Após o conserto, a conta mensal de água baixou de R$ 18 mil para R$ 12 mil”, afirma;

 

- Realizar vistorias periódicas nas unidades, providenciar a instalação de temporizadores ou redutores de vazão nas torneiras e ficar atento às válvulas de descarga.

 

CONSUMO NAS UNIDADES

 

Depois de implantadas essas medidas, Carlos Alberto dos Santos recomenda ainda que se fique de olho no consumo diário de cada unidade, de maneira a “fazer os cálculos, controlar e saber quanto cada uma está gastando”. No Condomínio Edifício Memphis (construído em 1950), localizado no bairro de Cerqueira Cesar, em São Paulo, o síndico Claudio Ferreira Barbosa promoveu a revisão dos componentes hidráulicos dos 60 apartamentos, conforme aprovado pela assembleia dos moradores. 

 

Claudio é síndico desde 2014, época em que começou a investir na manutenção da rede hidráulica, tendo ainda ampliado em 2015 a capacidade de reserva da água da chuva para reuso na limpeza e na rega dos jardins do condomínio. A primeira ação sobre os componentes hidráulicos no interior dos imóveis envolveu a revisão das torneiras, instalação de redutores de vazão, busca e reparos de vazamentos. Tudo será revisado novamente e consertado conforme a necessidade. A estratégia adotada pelo condomínio, que não possui leitura individualizada do consumo de água, resultou na queda de quase 50% da conta paga mensalmente à concessionária pública, contabiliza o síndico.

 

Fonte: www.direcionalcondominios.com.br

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga