Please reload

Posts Recentes

O vizinho não quer consertar o vazamento, e agora?

August 7, 2018

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Cohousing: um novo jeito de morar

May 24, 2019

Pense em um lugar onde as pessoas compartilham do mesmo espaço residencial, têm interesses e afinidades em comum, estão vivendo momentos parecidos, mas também preservam a sua privacidade, morando cada um em sua residência. Essa ideia de habitação compartilhada, mundialmente conhecida como cohousing, co-lares na língua portuguesa, está começando a ser discutida e implantada no Brasil. "O conjunto de lares colaborativos não é moda, é uma tendência forte que chegou pra ficar no país", afirma Lilian Avivia Lubochinski, arquiteta, urbanista e coordenadora da Cohousing Brasil Co-Lares.

 

A cohousing surgiu na Dinamarca, por volta da década de 1960, a partir da necessidade de um grupo de famílias de viver em comunidade, diminuindo o custo de vida e promovendo o sentimento de partilha, não só do espaço físico, mas também das experiências pessoais. Na prática, os moradores têm casas privadas, mas dividem e cuidam de espaços colaborativos, como bibliotecas, lavanderias, hortas, quartos de hóspedes, cozinhas e áreas de lazer. "A co-lares se assemelha a um condomínio convencional, mas somente na estrutura física. A principal diferença está na relação interpessoal e afetiva entre os vizinhos", explica Lilian.

 

Cada grupo de co-lares decide o que vai ser compartilhado, além de como praticar a política da boa vizinhança, como ajudar um vizinho adoentado, cuidar do amiguinho do filho enquanto os pais fazem alguma atividade, se divertir em conjunto, interagir. "Vizinhos a gente tem em qualquer lugar, o importante no co-lares é a qualidade da relação que se tem com esses vizinhos: uma relação de confiança, de amizade e de familiaridade. A estrutura construída não é o coração da ideia, o coração é a estrutura social, por isso não basta só compartilhar, é necessário colaborar", completa a incentivadora do cohousing no Brasil.

 

Lilian também explica que o planejamento estrutural não precisa ser só o clássico - de casas -, mas pode ser vertical, ou seja, em prédios. E qualquer pessoa, de qualquer idade ou estilo de vida, pode formar um grupo de co-lares, sendo que os maiores interessados são os da terceira idade. "As pessoas mais velhas, ao menos algumas, querem fugir da solidão e programar sua velhice nessa delícia de convivência. Mas esta não é uma solução para todos, só para quem se conecta com essa visão”.

 

Mercado
 

Para Silvya Caprario, arquiteta, urbanista e conselheira do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina, a cohousing é uma evolução das casas de repouso para idosos, que estão cada vez mais saudáveis, só não querem mesmo é conviver com a solidão. "Com o cohousing, os idosos ganham a possibilidade de conviver de maneira mais calma, mais harmoniosa, inclusive com sistemas de atendimento à saúde próximos e tudo isso sem abrir mão da sua individualidade", complementa.

 

Silvya conta que tem conversado com grupos interessados nesse tipo de empreendimento em Santa Catarina. "Já recebi solicitações e já fiz estudos dessa maneira diferenciada e social de morar". No bairro Ratones, em Florianópolis, por exemplo, há um grupo motivado em implantar uma cohousing voltado à plantação, conta a arquiteta.

 

Em outros estados já há alguns projetos em andamento. Um deles é a Vila ConViver, criada por um grupo de professores aposentados da Unicamp (Universidade Estadual Paulista) e que deve ser inaugurado em 2020.

 

Para dar início a um co-lares, é necessário que ao menos quatro pessoas estejam empenhadas. Depois, é necessário buscar um facilitador, que mostre o caminho das pedras para a sua implantação: desde a parte estrutural e os gastos financeiros até como será a convivência diária no grupo. 


Para esclarecer e ajudar a fazer este meio de campo, Lilian vai lançar, ainda este mês, um curso virtual. Dividido em módulos, o objetivo é explicar o verdadeiro significado do cohousing e o que fazer para implantá-lo.

 

Segundo ela, nada impede que o mercado imobiliário também inicie um empreendimento desse tipo. "Se o mercado tiver a sensibilidade de captar a verdadeira intenção do co-lares e souber aliar a estrutura física ao valor agregador que a co-lares oferece, aí há um campo a ser investido, promovido e vendido".

 

ENTENDA MAIS

 

O que é cohousing?

 

É quando cada um mora na sua própria casa e seus vizinhos, que são seus amigos, compartilham de interesses em comum e também de ambientes em comum, cuidando da sua preservação e manutenção.

 

Qual a diferença entre cohousing e condomínios convencionais?

 

A principal é o vinculo interpessoal que os moradores estão dispostos a construir, com custos econômicos mais atraentes.

 

Como começar um grupo?

 

É necessário ter um grupo de no mínimo quatro interessados, que estejam vivendo momentos muito parecidos e tenham afinidades em comum para, então, buscar um profissional que facilite a construção física e social do sistema.

 

Fonte: www.condominiosc.com.br

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga